Buscar
  • Kin Aguiar

Quando parece que o divã tem espinhos

É quando se sabe que estamos no lugar certo.


Às vezes o divã parece que tem espinho porque nem sempre a análise são flores. Aliás, digo que análise acontece muito mais num campo espinhoso do que num vale florido. A graça é que a gente começa a se apaixonar por esse processo de atravessar os nossos campos espinhosos.


A gente sente quando precisar tocar naquele ponto. Vem aquele gosto na boca, de quando sabemos que vamos provar alguma coisa amarga, que não desce muito bem e que a gente não entende. A gente sabe, ou acha que sabe, sente e vê, parece que até identifica :“é aquela coisinha, aquele ponto, aquela porta que tá lá longe e que preciso abrir”. É uma coisinha enorme que faz diferença na vida da gente.

Vamos pra sessão, tentamos mexer nisso, chegar perto, mas a gente dá de cara com a parede - literalmente. A palavra não dá conta!


A associação falha, esmaece; o discurso se desalinha e a voz emudece.


“Parece que tem uma pedra na minha boca”, disse para a analista. “Então está no lugar certo” ela devolve. Lugar certo, sim: nesse divã que não abraça e nessa psicanálise que permite criar uma nova gramática pra vida.


Quando a palavra não dá conta, ou melhor, quando nós ainda não conseguimos dar conta disso com a palavra, é que o divã machuca, que apunhala, que remexe nas estranhas. Deixa de ser um móvel bonito e anatômico e passa a ser um monstro engolidor. Fica desconfortável e visceral.


Bom sinal! Há que se desconfiar de divãs que permanecem confortáveis por muito tempo. Divãs que não engolem talvez não sejam bons divãs.


Pouco importa, aliás, se divã ou poltrona. E em tempos pandêmicos, se consultório, sofá, quarto ou carro. Pouco importa porque esses espinhos estão todos, na verdade, na ponta da língua.


Vamos ficar por aqui.


Kin Aguiar


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo